TEMPESTADE PERFEITA PREOCUPA GOVERNO DO ESTADO

mar 17, 2020 | Economia

Após um 2019 com muita bonança um sinal de alerta acende para o Governo do Estado do Espírito Santo, que começa a se preocupar com as repercussões dos últimos acontecimentos no cenário econômico mundial.

Em 2019, a economia ensaiou uma recuperação, ainda que tímida, elevando assim as receitas do Estado. Somando-se a isso, o Estado ganhou uma ação judicial em que a Petrobras se comprometeu a pagar R$ 1,2 bilhão de reais, sendo R$ 600 milhões a vista e o restante parcelado. Esse recurso permitiu a formação de dois fundos, o chamado Fundo Soberano, voltado a poupar e recursos para gerações futuras, e o Fundo de Infraestrutura, para financiar investimentos em solo capixaba.

O que já parecia bom, melhorou ainda mais quando o preço do barril de petróleo subiu, aumentando assim as receitas de royalties e com a cessão onerosa dos campos do pré-sal, que resultou em mais R$ 200 milhões entrando nos cofres estaduais.

Com as contas controladas e a receita superando a expectativas o Governo do ES nadou em abundância, e garantiu um superávit de mais de um bilhão de reais.

Acontece que em 2020 o cenário mudou completamente. Uma tempestade perfeita se acometeu, o coronavírus (Covid-19) se espalhou rapidamente pelo mundo, fechando fábricas, negócios e fronteiras, o que vai afetar a economia em níveis ainda imprevisíveis. No meio da crise pandêmica, a Arábia Saudita anuncia aumento histórico na produção de petróleo, fazendo o preço despencar, afetando assim uma das principais fonte de receita do Espírito Santo.

Assim, o governador do Estado do Espírito Santo Renato Casagrande, anunciou nesta segunda feira (16/03) medidas para preservar as finanças estaduais. A primeira medida foi anunciar congelamento do R$ 1 bilhão do orçamento estadual e ainda determinou redução de 15% das despesas de custeio do governo.

Todos os dias, o gabinete de crise se reunirá no Palácio Anchieta para avaliar a situação do Estado em relação ao coronavírus e outras medidas não são descartadas.

Matérias Relacionadas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *